sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

SERTÃO QUE EU AMO

Onde se ve a serrania o monte de verde vestido
Parecendo um paraíso em tempos de invernada
Áqua formando cascata rios quebrando barreiras
Logo nas chuvas primeiras levantando cachoeiras

Onde se ve o vaqueiro pela luta destemido
Entrar no mato vestido de guarda-peito e gibão
Chapeu de couro e espora a luta crua ignora
Mas o rebanho controla e traz de volta ao patrão

Onde se ve trovoada quando o sertão está chovendo
Raios clareando a niote e expondo o firmamento
Gado no curral se assusta o bode berra assombrado
Mas é alegria para quem está de casa pra o roçado

Onde uma rede estendida na varanda  do roçeiro
Descança olhando a lavoura o velho que ali habita
Esperando que a formiga não estrague a plantação
Pulveriza e acredita numa boa produção

É esse o cenário visto pra quem vive no nsertão
Inverno bom e fartura gado rolando no chão
O sertanejo em alegria agradece todo dia
Ao pai da criaçao.

EMANOEL CARVALHO





23/12/2011

4 comentários:

  1. Lembro desse lugar, da água de cocô que nos ofereceram e a nossa aventura para até chegar....

    ResponderExcluir
  2. Muito bom ler o lindo texto que revela o amor incondicional pelo sertão.

    ResponderExcluir