sexta-feira, 25 de novembro de 2016

                 SAUDADE
Em 28 de outubro final do ano 90
A poesia enlutou-se quem o conheceu comenta
Calou-se a voz de um guerreiro
Partiu o Pinto do Monteiro
Ainda hoje a classe lamenta

EMANOEL CARVALHO
25/11/2016

terça-feira, 20 de outubro de 2015

MEU EU

Sou roceiro, caipira e nordestino
Esse jeitão de mim ninguém não tira
Mesmo seco o nordeste me inspira
Vejo o galo cantando no poleiro
A galinha ciscando num balseiro
Um jumento rinchando no curral
Um cachorro amarrado num jiral
Um cavalo arreado me espera
Pico a espora e me aprumo na sela
Pro forró pé de serra na tapera


EMANOEL CARVALHO
20/10/2015

domingo, 12 de julho de 2015

BRINCADEIRA DE CRIANÇA

No meu tempo de menino eu brinquei de carrapeta
Botei agua de ancoreta joguei biloca e pião
Joguei bola fiz carreta de madeira e de latão
Fiz muitos cavalos de pau com arreios de cordão
Tomei banho em cacimbão que a pele ficava preta
Mãe corria atrás de mim com um cipó fino na mão
Eu corria ia pra feira ver bebo falar besteira e cuspir no pé do balcão.

EMANOEL CARVALHO
12/07/2015

domingo, 12 de abril de 2015

ÊXODO

Me mudei a muitos tempo do sertão pra capital
Não consegui esquecer o aboio do vaqueiro o xote do animal
O cultivo de sementes ou o cheiro de curral impregnado na gente
E o cão de caça atento que vigiava o quintal

As noitadas de cantorias de violas e repentes
O forró de pé de serra regado a agua ardente
As invernadas, os rios, as cachoeiras e enchentes
Da minha terra eu trouxe muita bagagem na mente
Nem chuva, sol, tempestade nem a beleza da cidade vão zerar meu consciente.

EMANOEL CARVALHO
12/04/2015




sábado, 28 de fevereiro de 2015

RESISTENCIA

Dois mil e treze e quatorze as chuvas foram falhadas
Os reservatórios secaram enferrujou-se a enxada
quem tinha rebanho bovino, quase que fica sem nada

para juntar o rebanho não precisava chicote
Bastava o gado escutar o caminhão descer o serrote
Que já sabia que vinha a carga de capim seco
Para livra-los da morte

E o nosso agricultor que cultiva para viver
Sem ter água nada brota oh povo para sofrer
É um dia passando fome outro sem ter o que comer
Mendigar é vergonhoso só Deus pra lhe socorrer

EMANOEL CARVALHO
28/02/2015

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

                        CULTURA NORDESTINA
É muito gratificante quando vejo um nordestino
mesmo sendo ele um menino, com o acordeom ensaiando
é sinal que nunca morre os talentos do meu sertão
de Sivuca, Dominguinhos e Gonzaga o rei do baião

EMANOEL CARVALHO
19/11/2014

domingo, 13 de abril de 2014

SERTÃO

Sertão de Euclides da Cunha do fanático conselheiro
Do santo do Juazeiro o padim Ciço Romão
Da era de lampião o famoso cangaceiro
Das colunas de romeiros do santo frei Damião
Das casas de taipa erguidas dentro do mato fechado
Da lamparina, do arado rasgando e cortando o chão

Sertão dos tempos passados das famosas rezadeiras
Dos trabalhos das parteiras, das colheitas de algodão
Da farinhada, do engenho, das fazendas o casarão
Das festas de padroeiros, das caçadas, dos vaqueiros
De inverno de verão das tropas de burro mulo
Da conversa atrás do muro das noites de são joão

Sertão que inspira essa gente sofrida e muito valente
Sertão de memória ardente, de cantador de repente
Sertão de inverno e fartura de povo de alma pura
Sertão de serra e caatinga de progresso e agricultura
Sertão de rios e enchentes riacho e água corrente
Sertão que tanto me inspira sertão sou tua semente,


EMANOEL CARVALHO
13/04/2014